Tríduo Pascal: A culminância de todo o ano litúrgico.

O ponto alto da Semana Santa é o Tríduo Pascal (ou Tríduo Sacro), os três dias do grande momento litúrgico da Igreja; Ele entregou-se (quinta-feira à tarde e sexta, Ele entrou na morte: sábado; Ele venceu a morte (noite da Vigília Pascal/domingo de Páscoa).

Os três dias formam uma só celebração, que resume todo o mistério da Páscoa. Por isso, nas celebrações da quinta-feira à noite e da sexta-feira à tarde não se dá a bênção final; ela só será dada, solenemente, no final da Vigília Pascal.

Na Quinta-feira Santa  celebra-se a instituição da Eucaristia e do Sacerdócio ministerial. A Eucaristia é o sacramento do Corpo e Sangue de Cristo, que se oferece como alimento espiritual.

 Nessa missa, realiza-se a Cerimônia do Lava-pés, em que o celebrante recorda o gesto de Cristo, que lavou os pés dos seus apóstolos. Esse gesto procura transmitir a mensagem de que o cristão deve ser humilde e servidor.

Nessa celebração também se recorda o mandamento novo que Jesus deixou: “Eu vos dou um novo mandamento, que vos ameis uns aos outros assim como Eu vos amei”. Comungar o corpo e sangue de Cristo na Eucaristia implica a vivência do amor fraterno e do serviço. Essa é a lição da celebração.

Terminada a missa, sem a benção final, leva-se a reserva eucarística para um local preparado, o “altar da reposição”, e lá se coloca as hóstias consagradas que ficarão em adoração pública até a meia-noite.

Na Sexta-feira Santa a Igreja contempla o mistério do grande amor de Deus pelos homens. Ela se recolhe no silêncio, na oração e na escuta da Palavra Divina, procurando entender o significado profundo da morte do Senhor. Neste dia não há missa. À tarde acontece a Celebração da Paixão e Morte de Jesus, com a proclamação da Palavra, a oração universal, a adoração da cruz e a distribuição da Sagrada Comunhão.

Na noite da Sexta-feira Santa, os fiéis saem em procissão, com a procissão do Senhor Morto.

Sábado Santo é dia de silêncio e de oração. A Igreja permanece junto ao sepulcro, meditando no mistério da morte do Senhor e na expectativa de sua Ressurreição. Durante o dia não há missa, batizado, casamento, enfim, nenhuma celebração de sacramentos.

À noite, a Igreja celebra a solene Vigília Pascal, a “mãe de todas as vigílias”, revivendo a ressurreição de Cristo, a vitória sobre o pecado e a morte. A cerimônia é carregada de ricos simbolismos, que nos lembram a ação de Deus, a luz e a vida nova que brotam da ressurreição de Cristo.

Essa liturgia tem quatro partes:

Liturgia do fogo (Cristo é Luz)

Liturgia da Palavra (Cristo é a Palavra)

Liturgia Batismal (Com a benção da água)

Por fim, Liturgia Eucarística.

Então o tempo se abre para a Páscoa… Após termos retomado os vários símbolos e rezado solenemente a liturgia, partimos para as alegrias pascais, prolongadas pela oitava e celebradas nos 50 dias desse belíssimo tempo, convidando-nos a ser suas testemunhas até os confins da terra. O centro da nossa fé. Porquê Cristo ressuscitou, temos esperança, entregamos a Ele nossa vida e nossa morte. Uma boa Semana Santa!

Referências:https:

//www.acidigital.com/noticias/igreja-da-inicio-ao-triduo-pascal-a-culminancia-de-todo-o-ano-liturgico-93403

Por: PASCOM Prado

Post Author: Juliana.Pascom